PMFS São João
Classivendas
Em cima da hora:
GM investe US$ 500 milhões em rival do Uber
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Crise do futebol brasileiro


     

    Por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.


    A decadência do futebol brasileiro parece não ter fim. Quando imaginávamos que tínhamos atingido o fundo do poço, após o vexame da última Copa do Mundo, experimentamos outra situação vergonhosa: o Brasil conseguiu ser eliminado pelo Peru! Sim, fomos desclassificados da Copa América por um selecionado nacional sem nenhuma expressão no cenário mundial e que não vencia o Brasil desde 1986. É evidente que vencer a competição sul-americana não representaria nada de excepcional para a torcida, mas é uma clara demonstração de que a crise é gravíssima. Para tentar conter essa fase ruim, a diretoria da CBF demitiu Dunga e contratou Tite para o seu lugar. A escolha foi acertada, mas é preciso que o ex-técnico do Corinthians tenha muita coragem e disposição para mudar o quadro que irá encontrar. É certo que o novo treinador terá que resistir às pressões dos empresários e dos dirigentes para não convocar jogadores que fazem parte dos seus interesses escusos. Quem acompanha o futebol de perto sabe que tem sido muito comum que atletas de capacidade questionável sejam chamados para atuar com a camisa da seleção. O objetivo é o de valorizá-los e negociá-los por uma montanha de dinheiro. Muita gente tem lucrado com isso e o resultado a gente já conhece.
    Tite terá menos de um ano e meio para evitar que o Brasil fique de fora pela primeira vez de uma Copa do Mundo. Acredito que ele consiga elevar o nível do jogo que tem sido praticado. Não podemos nos iludir, todavia, que uma eventual melhora do futebol da seleção seja suficiente para nos devolver a condição de destaque que sempre ocupamos. Penso que a contratação do treinador gaúcho se apresenta como um mero paliativo. A solução do problema é muito mais complexa. Todo mundo tem a consciência que a mudança almejada demanda tempo e vontade política. Para que ela aconteça de forma efetiva é fundamental que os clubes sejam fortalecidos. Não dá mais para aceitar que o destino do nosso futebol fique nas mãos de presidentes de federações e da CBF. Nos países desenvolvidos, são os clubes que organizam os seus campeonatos, cabendo às federações apenas atividades de apoio. É inadmissível, que no atual momento do futebol mundial, os clubes ainda tenham que ceder boa parte das suas riquezas para entidades que não contribuem para o seu crescimento.
    Por outro lado, é imprescindível que os clubes voltem a investir na formação de novos talentos. Esse trabalho deve ser comandado por profissionais sérios, competentes e independentes. Se isso não acontecer, os clubes continuarão expostos aos conluios formados entre dirigentes e empresários. Infelizmente, não vislumbro um panorama que indique que essa realidade irá mudar em um curto espaço de tempo. Por enquanto, só nos resta a esperança de que o novo técnico da seleção brasileira consiga colocar a equipe entre as classificadas para a competição que será disputada na Rússia em 2016.


    Eurocopa.
    Começou no final de semana passado, o mais importante torneio de futebol do continente europeu: a Eurocopa. Nas primeiras rodadas, a França, dona da casa e uma das principais favoritas para vencer o certame, conquistou duas vitórias, mas não convenceu. A Alemanha também ganhou na estreia da Ucrânia, mas também ficou devendo um jogo melhor. A Inglaterra, por sua vez, tropeçou na primeira partida contra a Rússia e frustrou a sua torcida. Quem mais surpreendeu até agora foi a Itália que derrotou a Bélgica. Embora os jogadores europeus estejam em final de temporada, a tendência é de que a competição apresente jogos de ótimo nível técnico.


    UFC Ottawa - Rory Mac Donald x Stephen Thompson.
    Acontece hoje à noite, em Ottawa, Canadá, o UFC Rory Mac Donald x Stephen Thompson. A expectativa dos fãs de MMA é a de que eles travem uma batalha eletrizante. Isso porque ambos os lutadores são ótimos “strikers”* e costumam nocautear os seus adversários. Rory tem maior experiência e é mais completo, já que tem um jiu-jítsu mais afiado. Stephen é menos previsível e tem um estilo diferente da maioria dos atletas do UFC. O Karatê é a sua principal arma. Essas virtudes o ajudaram a despontar como um dos maiores candidatos ao posto número um da divisão. Se o confronto transcorrer em pé, o equilíbrio deve prevalecer. Se a peleja se desenvolver no solo, aposto todas as minhas fichas em Mac Donald. É importante lembrar que o vencedor do referido duelo deverá enfrentar o ganhador da luta do atual campeão dos meio-médios, Robbie Lawler, contra Tyron Woodley.


    * Striker em inglês significa aquele que bate. O termo é utilizado para definir os especialistas das lutas de contato, como é o caso dos boxeadores, dos lutadores de Muay Thai e de Karatê, por exemplo.


    Até breve, amigos!
     



Publicidade

Histórico

2016
2017
Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia